Pesquisar no Conversa Franca.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Banco de ideias

Na era da internet uma ação vale mais que uma ideia. Ter vontade, desejo, engajamento, coragem, contatos, simpatia, ser líder, poder de agrupar pessoas vale mais que a ideia.
Não é  atoa que o empresario mais arrojado dos tempos atuais sócio de empresas como a Space X e a tesla tem seus projetos de produtos com patente aberta, sim isso quer dizer que qualquer um que quiser se arriscar a copiar um  de seus produtos não terá empecilho jurídico algum.
Juntar pessoas com tempo, vontade e capital para fazer um projeto tomar forma é o mais complicado. Sempre lembrando que mesmo que tenham vários entrantes no seu segmento basta ser o melhor para desbancar a concorrência e no mundo que a informação é o produto as vezes nem se tem concorrência mas sim um grupo de aliados de projetos diferentes, e o verdadeiro ganha ganha dos livros de negócios.
Seja nas produções de conteúdo que se diferem na linguagem, abordagem, publico alvo, e ate o tipo de arrecadação para manter o projeto funcionando.
( queria fazer esse apêndice só pra lembrar que hoje com  apoiadores e doadores os produtores de conteúdo vendem seu produto diretamente ao consumidor sem serem financiados por corporações e entidades, dando assim total liberdade na produção não vinculada a outrem ).
O formato de empresas com o advento das cripto moedas e outros apetrechos digitas mudam a forma de relação cliente X empresa / empregado e empregador . Relações mais rápidas  desburocratizada aumentam a velocidade de interação, resposta e feed back.
O surgimento de investidores em empresas pequenas, próximas de pessoas conhecidas, com investimentos diretos nas empresas ou nas ideias, com participação no conselho ou nos projetos específicos estão as portas de nossa nova realidade.
A verdade é que há muito espaço para crescimento empresarial em nosso grande pais da America do sul, ter a visão clara disso deve aproximar as pessoa que economicamente podem/ querem se arriscar e juntamente criar novos postos de trabalho para as outra pessoas que não podem/querem se arriscar, porem todos fazemos parte desse ciclo sem fim que é a cadeia de consumo e produção humana demonstrada como economia.
obrigado.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

2019

Em primeiro de janeiro de 2019 assume o presidente do brasil, porem as conjunturas politicas não darão trégua a esse novo escolio pela população democraticamente.
O fato é não existe unanimidade em candidato, em presença que possa ser reconhecido para posição de liderança ( nem unanimidade dentro das federações que compõe a união), os principais nomes não emplacam 30% nas pesquisas de intenção. As mazelas ainda são mais profundas, o principal primeiro colocado está fora da disputas por motivos judiciais ( o ex presidente lula está preso).
O pais não consegue sair de uma crise continua de moral, o que impacta em uma crise politica e influencia na economia, criando no imaginário da população um ambiente sem solução, alguns querem relembrar outros tempos como governo lula e outros apelam para outrora o regime militar ( pontuado como ditadura).
Dividindo o parlamento e a forma  de pensamento em segmentos ( como posição onde se sentavam os grupos de correntes politicas que deram origem ao termo) direta, esquerda e centro, temos candidatos que, mesmo não representando a forma de pensamento original, se postam nessas posições para ganhar a simpatia dos eleitores que pouco sabem sobre todo espectro politico que rege essa ciência, com o centro esfacelado com candidatos em demasia, discordante, sem coesão abrindo espaço para sem pisoteado pelos outros grupos que o cercam.
Os grupos restantes com a gana de estarem mais próximos da linha de chegada, retomam a velha politica de bravatas, desconhecimento e acusações sobre seus adversários, sem o respaldo de entidades de prestigio, como a mídia ( agora sobre acusação de fake news, sobre o pretexto de não concordarem ora com  fato ora com a forma ), o judiciário ( com as consecutivas controvérsias de entendimentos votações apertadas e a reinterpretação da constituição ), entidades não governamentais ( que estão aparelhadas cada uma por seu partido de ideologia sem conseguir demonstrar isenção).
Nos encontramos nessa encruzilhada tendo a economia ruida entre tudo a nossa frente, com as opções de vitoria, discursos e realidade dissonantes, com a perspectiva de abstenção, nulos e brancos em alta quantidade, não importa que saia vencedor, será sem legitimidade e questionado constantemente por maioria no parlamento de grupos perdedores que vão exigir sua cota de poder nessa vaca que constituí o brasil. Minha esperança se lança para 2022, se a estabilidade permitir que o presidente conclua seu mandato, para que uma nova geração que entende que fazemos todos parte da politica tome em suas mão um novo futuro e uma nova crença.
Um futuro não se escreve em meses mas em anos, o quanto antes começarmos menos tempo demora, o que você fez por seu pais hoje ?
obrigado.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Trabalho sobre politicas sociais

Estamos em meio a altos debater sobre qual é  a melhor abordagem social e politica para nos relacionarmos. Estou juntando dados para uma pesquisa ampla para  que não fique no campo da filosofia e retorica entre um sistema mais liberal  economicamente e politicamente ou mais estadista e social .
Para que o experimento tenha maiores resultados pedirei a todos possíveis que ajudem, criando um sistema controlado social (condomínios, bairros, clubes, colégios, fraternidades, empresas, cooperativas e qualquer outro lugar que tenha interações sociais ) e enviando todo tipo de informação ( observações, anotações, imagens, áudios e qualquer outras amostras do experimento). 
Os parâmetros da pesquisa serão :
1. Qual é a relação entre esse grupo ( tem líder ou não o tem, para faz uma comparação entre mais e menos estatal).
2. Qual o nível de poder do líder ( se pode usar da força bruta, de coerção, vexatório, se é indicado, se pode contratar ).
3. Relações entre os membros e as propriedades / dependências /bens (como cada pessoa se relaciona com o meio físico que vive, se paga algo, ou se deixa de pagar )
4. Relação financeira e social entre os membros.
Com isso podemos criar parâmetros para responder a pergunta filosófica de teorias sociais e econômicas para esse grupo em especifico.
Devemos fazer correções ao nosso estudo pois há muitas variantes que podem ter influencia na nossa pesquisa como: os membros terem sua fonte de renda fora do sistema e seus funcionários também serem de fora do sistema, manter as regras do pais onde vivemos para não cometamos infrações ou crimes.
Essa pesquisa pode ter resultados diversos, porem em ambientes mais liberais espera-se que os membros tenham mais interações financeiras, respeitando a individualidade, com uma menor interação social cooperativa. E em relações mais sociais espera-se uma relação com menor relações financeiras protegendo quem tem menor condições, mantendo a equidade dos membros, e as relações financeiras devem ser rateados por condições financeiras e posses .
com a ajuda de vocês vou por os resultados e previas neste blog com o mesmo titulo com uma sequencia numérica. 
Só peço que os dados para analise venham acompanhados da localidade onde esse estudo esta sendo feito, de onde os dados estão sendo coletados e (opcional ) quem fez a pesquisa.
obrigado.

sexta-feira, 2 de março de 2018

O Brasil não tem leis

O Brasil não tem leis, tem sugestões. Foi essa a definição que eu dei para todas as pessoas que me perguntavam como funcionava o Brasil quando morei na Alemanha.
Analisando as semelhanças e diferenças do modo de vida de um cidadão Alemão e um Brasileiro fica claro a não compreensão das normas legais e por muitas vezes o desconhecimento ( ou simplesmente são ignorados ) as normas de educação por parte dos Brasileiro.
O desconhecimento das normas legais é ate compreensivo vide que nossos legisladores mudam constantemente as regras sem qualquer medida informativa para adesão da população, logo as pessoas tende a conhecer alguma lei por medida de exemplo ( quando alguém lhes diz que está a cometer uma infração) ou por medida repressiva ( quando são punidos por algo que ate então não se sabia da ilegalidade), e mesmo quando há um pouco conhecimento sobre algumas ilegalidades se espelham nas autoridade que ignoram as leis fazendo como acham melhor.
Tendo definido as causas da maior parte da população ignorar regras vamos aos exemplos e consequências.
Cada pessoa ( mesmo as mais esclarecidas ) cumprem as regras as quais lhes convêm, com o argumento de a transgressão é um ato revolucionário e legitimo para com o sistema que não os representa. justa a reivindicação, porem temos representantes legais (deputados, vereadores, senadores) para isso, um ser que comete uma transgressão legal deve ser punido, mesmo que seja pra mostrar que a lei deve ser mudada. porem não é isso que ocorre, cria se leis internas de grupos e tentam externar a outros grupos de maneira vexatória, e ignoram as leis concebidas de maneiras representativas em locais adequados ( as câmaras e congresso).
Os mesmos que transgridem as leis para seus benefícios exigem que outros sejam "crucificados" por outras transgressões, uma mista de hipocrisia e autoritarismo e arrogância para exigir de outras pessoas o respeito a qual nunca deram.
Pessoas diferentes tem condições diferentes, a equidade deve ser levado em consideração, mas a justiça não deve ser levada em conta? a igualdade não é a base do principio? e principalmente as leis só se aplicam a quem não pode se defender através da força (seja bruta, das mídias ou posições sócias)?
Como diria uma musica dos Raimundos :
Foi mal, foi mal, foi mal ae véi
Se eu falei um monte de coisa que você não gosta
Com o microfone eu tenho a faca e o queijo
Olho o jornal, eu ouço rádio, eu só ouço bosta
E na Tv eu não gosto de nada que eu vejo

Uma camisa de força tamanho mirim
Vai tem que me explicar tim-tim por tim-tim
Por que a lei só se aplica a mim
Perigo pra sociedade é o que me dizem
E penso comigo mesmo: porque não eu
Pra cuspir o pensar e taxarem de crime.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Toda saúde emana do povo

Como já dito no texto como vai sua saúde o sistema de saúde publico do brasil não foi feito para dar certo e para "corrigir " os deficientes criados o supremo tribunal autoriza cobrar dos planos de saúde privados o uso de seu sistema de estrutura física.
Para o beneficiário não importa quem irá pagar o tratamento se é o sus ou o plano, mas para o sistema financeiro faz uma grande diferença de onde vem esse dinheiro.
O SUS é um sistema universal de saúde brasileira que atende a todos (literalmente todos que estejam no território nacional do brasil tem o direito a saúde gratuita ), neste caso por que haver sistemas privados de saúde ? simples, como já dito, a estrutura não se paga ( a verba para a saúde não é o suficiente para bancar toda a estrutura publica e todos seus usuários, incluído visitantes, turistas e refugiados) por isso temos um sistema de hospitais, clinicas, ambulatórios e planos de saúde particulares ( tendo posto que o publico poderia absorver toda a população proposta), para que esses usuários tenham um atendimento diferenciado. 
O sistema privado arca com os custos de todos os seus usuários na rede particular de saúde, por que se entende que quando esse paciente usa o sistema publico de saúde ele volta sua condição inicial de direito, porem esse não foi o entendimento dos juízes do supremo tribunal. No entendimento toda as estruturas físicas são independentes e só o pagador é diferenciado, na rede publica aceita os planos "particulares "e" públicos " de forma que o usuário não tenha que desembolsar nada e os na rede privada só aceita planos previamente estipulados.
No que isso modifica nossa forma de ver a saúde no Brasil, todos as pessoas que circulam no pais tem o direito a pedir ingresso no "plano" SUS que são aceitos na rede pulica e qualquer outro "plano" de sua escolha mediante pagamento ( nada impede uma pessoa de ter vários "planos " privados, só é uma redundância já que os "planos " oferecem  as mesmas coisas), fazendo com que a estrutura hospitalar publica possa vir a cobrar dos "planos" privados a conta por seus usuários utilizarem sua rede. 
Agora quem tem o poder de escolher qual plano irá usar em um sistema de saúde publico é o próprio usuário informando ao atendente qual dos "planos" particular ou privado deseja utilizar em seus atendimentos na rede do governo de saúde.
obrigado.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Todos os tipos de criminosos

Relações financeiras, já a muito tempo, são o tipo mais comum de relações entre pessoas e permeiam outros tipos de relação também, principalmente a relação com a nação.
O fim dos estados nacionais estão próximos( alguns filósofos diriam ), pois a relação entre a população e os políticos ficou desgastada e sem sentido, não temos mais inimigos nacionais declarados, os criminosos internos também participam da politica, as beneficias estatais estão em aparente decadência e uma parte da nação já se pergunta: para que politicas e impostos se não me representam e não há retorno ?
Assim como as mafias que trabalham com segurança, que cobra para proteger de um inimigo que não se tem clareza se é ela mesma ou outrem, o estado cobra impostos sem transparência de suas utilidades e funções, para que e onde são colocados. Conciliado com escândalos de corrupção fica a impressão de que esse dinheiro é subtraído da população para ser somado as já enormes fortunas de agentes públicos.   
Assim como as facções criminosas, que afligem toda a população com o discurso de legitimidade e separação do estado, o conhecido poder paralelo, o resto da população só tem o direito a escolha de qual facção irá dominar-lhes.
O imposto , seja por quem for cobrado para ser utilizado a seu bel prazer estratégico, juntamente com todos os recursos disponíveis na região .
E assim como crentes ( pessoa que crê, não o grupo ) as pessoas escolhem o lado que acham que mais combina com seus pensamentos, modos de vida e sua idiossincrasia agregando sua força a uma facção/partido que lhe faça o chamamento, seja a contribuir com força, dinheiro ou tempo .
O que difere as facções ? quanta força cada uma delas tem? Quem fica no meio do fogo cruzado como deve reagir ?
A unica pena é que não podemos escolher ficar fora dessa guerra, seremos massacrados por todos os lados.
Quais são as armar que você quer usar ?
Obrigado

segunda-feira, 26 de junho de 2017

As perguntas sobre drogas

1. O que é DROGA?

Droga é atualmente definida pela medicina como “qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas ou de comportamento”.
Existem drogas naturais, obtidas por meio de determinadas plantas, animais e alguns minerais, e drogas sintéticas, fabricadas em laboratório, exigindo para isso técnicas especiais. As drogas também podem ser classificadas como lícitas e ilícitas. Lícitas quando o uso é permitido por lei e aceito pela sociedade; ilícitas quando o uso é proibido por lei.
No senso comum, o termo droga está associado às substâncias proibidas, de uso ilegal e nocivo ao indivíduo, que causam mudanças nas funções, sensações, humor e comportamento da pessoa, como a maconha, a cocaína e o crack. Porém, do ponto de vista da saúde, muitas substâncias lícitas podem ser igualmente ou até mais perigosas, como, por exemplo, o álcool e o tabaco.

2. O que são drogas psicotrópicas?

As drogas psicotrópicas são um tipo específico de droga. Estas, geralmente, têm maior potencial para o uso indevido e abuso, pois atuam sobre nosso cérebro, alterando de alguma maneira nosso psiquismo, podendo deprimir, estimular ou perturbar a atividade do sistema nervoso central (SNC). As pessoas utilizam as drogas psicotrópicas para produzir mudanças nas sensações, no grau de consciência e no estado emocional.
As alterações causadas por essas substâncias variam de acordo com as características do usuário; da droga utilizada e da quantidade ingerida; do efeito esperado da droga; e das circunstâncias em que ela é consumida.

3. O que são drogas DEPRESSORAS do sistema nervoso central?

São drogas que diminuem a atividade mental. Afetam o cérebro fazendo com que funcione de forma mais lenta.

4. O que são drogas ESTIMULANTES do sistema nervoso central?

São drogas que aumentam a atividade mental. Afetam o cérebro fazendo com que funcione de forma mais acelerada.

5. O que são drogas PERTURBADORAS do sistema nervoso central?

São drogas que alteram a percepção e provocam distúrbios no funcionamento do cérebro, fazendo com que ele passe a trabalhar de forma desordenada, numa espécie de delírio. São também conhecidas como drogas alucinógenas.

6. Qual a classificação das drogas mais conhecidas em relação aos seus efeitos no cérebro?


DEPRESSORAS
ESTIMULANTES
PERTURBADORAS
Álcool
Tabaco (nicotina)
Êxtase
Tranquilizantes e ansiolíticos
(benzodiazepínicos)
Cocaína (pasta de coca; merla; crack)
Maconha
Calmantes e sedativos (barbitúricos)
Anfetaminas
Cogumelos psilocibinos
Ópio e derivados (heroína; morfina; codeína)
Êxtase (droga estimulante e perturbadora)
Mescalina (cactos)
Inalantes e solventes

DMT (jurema, caapi, chacrona)


LSD-25 (ácido)

7. O que é compulsão para o consumo de drogas ou “fissura”?

Refere-se à experiência de um desejo incontrolável de consumir a substância. O indivíduo imagina-se incapaz de colocar barreiras a tal desejo e sempre acaba consumindo.

8. O que é tolerância à droga?

É a necessidade de doses cada vez maiores da droga para alcançar os efeitos originalmente obtidos com doses mais baixas. Isso ocorre porque o organismo se habitua e se adapta à presença da droga no corpo.

9. O que é síndrome de abstinência?

É o surgimento de sinais e sintomas físicos desagradáveis de intensidades variáveis que aparecem quando o usuário para ou reduz abruptamente o consumo da droga.

10. O que é dependência?

É quando a pessoa não consegue parar de consumir a droga, porque o organismo acostumou-se com a substância e sua ausência provoca sintomas físicos aversivos (síndrome da abstinência), ou porque a pessoa acostumou-se a viver sob os efeitos da droga, sentindo um grande impulso de usá-la com frequência (fissura).
Existem duas formas principais em que a dependência se apresenta: a física e a psicológica.
  • Dependência física: caracteriza-se pela presença de sintomas e sinais físicos que aparecem quando o indivíduo para de tomar a droga ou diminui bruscamente o seu uso, ou seja, quando o indivíduo apresenta a síndrome de abstinência. Os sinais e sintomas de abstinência dependem do tipo de substância utilizada e aparecem algumas horas ou dias depois que ela foi consumida pela última vez.
  • Dependência psicológica: corresponde a um estado de mal-estar e desconforto que surge quando o dependente interrompe o uso da droga. Os sintomas mais comuns são: busca compulsiva pela droga ou fissura; ansiedade; sensação de vazio; e dificuldade de concentração.

11. Por que as pessoas fazem uso ou experimentam drogas que trazem prejuízos a sua saúde?

O interesse da pessoa que se droga geralmente é a busca pelo prazer ou a fuga de seus problemas. As pessoas se drogam porque desfrutam de uma sensação passageira de bem estar dada pela droga psicoativa.
Quase todas as drogas psicotrópicas induzem a liberação em maior ou menor grau dos neurotransmissores que atuam nos locais do cérebro que geram sensações de prazer, como, por exemplo, a serotonina e a dopamina. O problema é que a sensação passageira de prazer é seguida da necessidade de mais prazer, pois há um desequilíbrio neuroquímico induzido, causando a dependência psicológica e/ou física.
Depois de estabelecida a dependência, a saúde da pessoa, aliás, tudo fica em segundo plano. A necessidade de consumir a droga se torna a prioridade na vida da pessoa. Por isso a prevenção do uso de drogas é de suma importância.

12. Quais os efeitos do uso indevido do álcool?


ÁLCOOL (Etanol)
Exemplos: cerveja, vinho, uísque, vodca, licor, etc.
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Diminuição da ansiedade
-      Redução da tensão muscular
-      Desinibição psicológica
-      Indução do sono
-      Falta de coordenação motora
-      Desequilíbrio
-      Propensão a comportamentos de risco
-      Baixa da pressão arterial
-      Diminuição dos batimentos cardíacos
-      Possível parada respiratória
-      Coma alcoólico
-      Morte
-        Cânceres
-        Doenças cardiovasculares
-        Impotência ou frigidez sexual
-        Amnésia
-        Diplopia (visão dupla)
-        Doenças do fígado (cirrose hepática)
-        Labilidade emocional (mudanças bruscas de humor e instabilidade emocional)
-        Agressividade
-        Demência irreversível devido à destruição de células cerebrais
-        Morte

13. Quais os efeitos do uso indevido dos ansiolíticos e tranquilizantes?


ANSIOLÍTICOS E TRANQUILIZANTES
Exemplos: diazepam, bromazepam, clobazam, clorazepam, estazolam, flurazepam, flunitrazepam, lorazepam, nitrazepam, buspirona, etc.
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Diminuição da ansiedade
-      Redução da tensão muscular
-      Desinibição psicológica
-      Indução do sono
-      Redução do estado de alerta
-      Falta de coordenação motora
-      Diminuição da capacidade de concentração
-      Baixa da pressão arterial
-      Diminuição dos batimentos cardíacos
-      Possível parada respiratória
-      Coma
-      Morte
-        Emagrecimento
-        Aumento da ansiedade
-        Irritabilidade
-        Agressividade
-        Labilidade emocional (mudanças bruscas no humor e instabilidade emocional)
-        Depressão com risco de suicídio
-        Morte

14. Quais os efeitos do uso indevido do ópio e seus derivados, como a heroína?


ÓPIO E DERIVADOS
Exemplos: morfina, codeína, meperidina ou petidina, propoxifeno, fentanil, heroína, etc.
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Eliminação da dor
-      Indução do sono
-      Diminuição da ansiedade
-      Sensação de isolamento da realidade do mundo
-      Sensação de sonhar acordado
-      Diminuição das emoções e paixões
-      Euforia momentânea
-      Cólicas abdominais
-       Confusão mental
-       Convulsões
-       Parada respiratória
-       Morte
-        Emagrecimento
-        Desnutrição
-        Anorexia
-        Movimento intestinal lento
-        Impotência ou frigidez sexual
-        Colapsos das veias
-        Infecção na membrana e nas válvulas do coração
-        Abscessos
-        Doenças no fígado
-        Doenças nos rins
-        Esterilidade
-        Demência
-        Possibilidade de contágio de doenças infecciosas (hepatite, HIV/Aids, etc. quando a administração é endovenosa)
-        Morte

15. Quais os efeitos do uso indevido dos inalantes e solventes?


INALANTES E SOLVENTES
Exemplos:
ü Solventes voláteis: tolueno, cloreto de metila, acetato de etila, tetracloroetileno (encontrados em sprays diversos, tintas, removedores de manchas, líquido para correção de texto, desengraxantes, colas, cimento de borracha);
ü Combustíveis: butano e propano (encontrados nos isqueiros, gasolina, propulsores de carros de corrida);
ü Anestésicos: éter, cloreto de etila, halotano (lança-perfume, loló);
ü Óxido nitroso (encontrado no gás hilariante, anestésicos, aerossóis);
ü Voláteis nitritos de áquila, ciclohexil, nitrito de butila, álcool isopropílico, nitrito isobutil (encontrados em limpadores de cabeçote, purificadores de ar e odorizadores de ambiente).
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Diminuição da ansiedade
-      Redução da tensão muscular
-      Promoção da desinibição psicológica
-      Indução do sono
-       Falta de coordenação motora
-       Sintomas de embriaguez
-      Náusea e vômitos
-       Alucinações
-       Diplopia (visão dupla)
-       Parada respiratória
-       Coma
-       Morte
-        Doenças graves do fígado
-        Doenças graves dos rins
-        Doenças do sangue (leucemias)
-        Demência irreversível devido à destruição de células cerebrais
-        Perda da audição
-        Espasmos dos braços e das pernas
-        Danos ao sistema nervoso central, ao cérebro e à medula óssea
-        Morte


16. Quais os efeitos do uso indevido do tabaco (nicotina)?


TABACO (NICOTINA)
Exemplos: cigarros, charutos, cachimbos, rapé, fumo de corda
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Diminuição da ansiedade
-      Relaxamento psicológico
-      Aumento da concentração
-       Aumento dos batimentos cardíacos
-       Hipertensão arterial
-       Tosse
-       Problemas cardíacos e vasculares graves
-        Doenças pulmonares (enfisema, bronquite crônica, pneumonia)
-        Cânceres de vários tipos (em especial do pulmão, oral, do esôfago, leucemia...)
-        Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, aneurismas)
-        Gangrena dos membros
-        Impotência sexual
-        Cataratas
-        Morte

17. Quais os efeitos do uso da cocaína?


COCAÍNA
Exemplos:
ü  Cloridrato de cocaína: conhecido também como “pó”, “farinha”, “neve” ou “branquinha”.
ü  Merla: conhecido também como “mela”, “mel” ou “melado”.
ü  Crackchamada popularmente de “pedra”.
ü  Pasta de coca: fumada em cigarros chamados “basukos”.
ü  Chá de coca
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Euforia e energia momentânea
-      Aumento momentâneo da concentração e memorização
-      Diminuição do cansaço e do sono
-      Diminuição da fome e da sede
-      Diminuição da sensação de frio
-      Aumento dos comportamentos de risco
-      Paranoia
-       Agressividade
-      Delírios e alucinações
-      Irritabilidade
-      Tremores
-      Morte
-        Perfuração do septo nasal
-        Doenças pulmonares (enfisema, irritação dos brônquios, pneumonia)
-        Cânceres
-        Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, aneurismas)
-        Degeneração irreversível dos músculos esqueléticos
-        Prejuízo da visão
-        Contágio de doenças infecciosas (HIV/Aids, hepatite, outras doenças sexualmente transmissíveis, etc.)
-        Lesões cerebrais
-        Desenvolvimento de doenças psiquiátricas graves
-        Morte

18. Quais os efeitos do uso indevido das anfetaminas?


ANFETAMINAS
Exemplos: dietilpropiona ou anfepramona, fenproporex, mazindol, metanfetamina, metilfenidato, etc.
Também conhecidas como “rebites” ou “bola”
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Euforia e energia momentânea
-      Aumento momentâneo da concentração e memorização
-      Aumento da força muscular
-      Diminuição do cansaço e do sono
-      Diminuição da fome e da sede
-      Boca seca
-       Sudorese
-       Hipertensão arterial
-       Arritmias cardíacas
-       Irritabilidade
-       Agressividade
-       Tremores
-       Convulsões
-       Insônia
-       Ansiedade
-       Morte
-        Emagrecimento
-        Irritabilidade
-        Delírios paranoides (sensação de estar sendo perseguido)
-        Psicose anfetamínica
-        Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, aneurismas)
-        Prejuízo da visão
-        Doenças endócrinas
-        Degeneração das células do cérebro
-        Morte








19. Quais os efeitos do uso do êxtase (MDMA)?


Êxtase (MDMA)
Exemplos de nomes populares: A, E, I X, XTC e ADAM.
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Euforia e energia
-      Calor emocional e empatia com os outros
-      Distorções sensoriais e temporais
-      Hipersensibilidade dos sentidos
-      Diminuição do cansaço
-      Tensão muscular
-       Ranger dos dentes
-       Hipertensão arterial
-      Hipertermia (Aumento da temperatura corporal )
-      Exaustão
-       Desidratação
-       Problemas cardíacos
-       Problemas renais
-      Morte
-        Confusão mental
-        Distúrbios do sono
-        Depressão profunda com tendência suicida
-        Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, aneurismas)
-        Prejuízo da visão
-        Ocorrência de flashbacks (revivências das experiências durante o uso, podendo ocorrer anos depois do consumo)
-        Risco aumentado de contagio de doenças sexualmente transmissíveis (hepatite, HIV/Aids, etc.)
-        Morte




20. Quais os efeitos do uso da Maconha (THC)?


MACONHA (THC)
Exemplos de nomes populares: cannabismarijuanabanghganjadiamba, erva, entre outros.
Versões mais concentradas da maconha são: o haxixe, e o óleo de hash.
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Diminuição da ansiedade
-      Sensação de bem-estar momentânea
-      Desinibição psicológica
-      Vontade de rir
-      Aumento da capacidade de fantasiar
-      Percepção da realidade mais intensa (cores e sons mais distintos)
-      Sono
-      Fome (larica)
-      Boca seca
-      Dificuldade em pensar e resolver problemas
-      Comprometimento do aprendizado
-      Distorção perceptual
-      Falta de coordenação motora
-       Reações de ansiedade e pânico intenso (paradoxalmente, em fumantes experientes)
-       Agressividade
-       Alucinações
-      Morte
-        Desencadeamento de doença mental (psicose, esquizofrenia, depressão) em indivíduos com predisposição.
-        Síndrome "amotivacional" (falta de motivação para tudo)
-        Doenças cardiológicas (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, aneurismas)
-        Doenças pulmonares
-        Diminuição da testosterona (infertilidade)
-        Cânceres
-        Perda da memória
-        Morte





21. Quais os efeitos do uso dos alucinógenos (plantas, cogumelos, LSD-25)?


ALUCINÓGENOS
Exemplos: Cogumelos psilocibinos, jurema, mescal ou peyot, Caapi, chacrona, LSD-25, etc.
EFEITOS IMEDIATOS
EFEITOS DO USO CONTINUADO
-      Distorção dos sentidos
-      Forte intensificação das percepções sensoriais
-      Sinestesia (transferências das impressões de um sentido para outro, como ouvir cores e ver sons)
-      Ocorrência de “má viagem” onde o usuário tem sensação intensa de pânico e delírios paranoides
-      As reações descontroladas da “má viagem” podem provocar acidentes fatais
-      Mudanças bruscas e intensas das emoções
-      Movimentos descoordenados
-       Dilatação extrema da pupila
-      Náusea, vômitos e tontura
-      Aumento da temperatura corporal
-      Aumento dos batimentos cardíacos e da pressão arterial
-      Sudorese excessiva
-       Perda de apetite
-      Sonolência
-      Boca seca
-      Tremores
-      Morte
-        Desenvolvimento de crises psicóticas com delírios e alucinações
-        Flashbacks (revivências das experiências durante o uso, podendo ocorrer anos depois do consumo)
-        Desencadeamento de doenças mentais (psicose, esquizofrenia, depressão) em indivíduos com predisposição
-        Problemas de memória
-        Intoxicação, podendo levar a problemas cardíacos e neurológicos irreversíveis
-        Morte








22. Quais são as ações preventivas possíveis para o uso indevido de drogas?

As ações preventivas são intervenções orientadas a evitar o surgimento de doenças, reduzindo sua incidência e prevalência nas populações. As ações baseiam-se no conhecimento das causas das doenças, do número de pessoas que ela atinge na população e das consequências específicas das doenças na vida dos indivíduos.
Quando falamos em prevenir o abuso de drogas, nos referimos a tudo o que pode ser feito para evitar, impedir, retardar, reduzir ou minimizar o uso, abuso ou a dependência das substâncias e os prejuízos que estas poderão produzir.
As ações possíveis começam com a prevenção de ocorrência de novos casos de uso abusivo ou até mesmo do primeiro uso, usando intervenções como: divulgação de informações e a criação e o fortalecimento dos fatores de proteção, que tem como foco incentivar os hábitos saudáveis; oferecer alternativas esportivas e culturais; modificar o ambiente no qual o usuário de drogas está inserido; enriquecer as condições e práticas educacionais, etc.
Outro nível de ação procura evitar a ocorrência de complicações para as pessoas que já fazem uso indevido de drogas. Essas ações buscam sensibilizar as pessoas a respeito dos riscos, favorecendo a mudança de comportamento através do aprendizado de novas atitudes e escolhas mais responsáveis. Além disso, existem as intervenções que procuram evitar prejuízos adicionais e/ou reintegrar à sociedade os indivíduos com problemas sérios. Estas buscam melhorar a qualidade de vida dos usuários junto à família, ao trabalho e à comunidade de uma forma geral e envolvem identificar e cuidar de casos emergenciais (como a síndrome de abstinência, a overdose, as tentativas de suicídio, etc.), assim como a assistência aos pacientes portadores de problemas que necessitam encaminhamento (hepatite, Aids, cirrose, entre outros).

23. Quais os principais fatores de proteção para prevenir o uso indevido de drogas?

Os fatores de proteção referem-se a tudo aquilo que diminui a probabilidade do uso indevido de drogas. Por exemplo:
  • Existência de um projeto de vida com metas realistas;
  • Valores morais sólidos;
  • Religiosidade;
  • Modelos sociais que promovam a saúde;
  • Família estruturada;
  • Satisfação no trabalho;
  • Informações adequadas sobre as drogas e seus efeitos no organismo;
  • Bom suporte social;
  • Prática de atividade esportiva;
  • Vida pessoal enriquecida com atividades culturais e de lazer.

24. Quais os principais fatores de risco para o uso indevido de drogas?

Os fatores de risco são circunstâncias e características pessoais, ambientais ou relacionadas à droga, que aumentam a probabilidade de o indivíduo fazer uso indevido dela. Como por exemplo:
  • Presença de transtornos mentais como depressão e ansiedade;
  • Facilidade de acesso à droga;
  • Baixo poder aquisitivo;
  • Modelos sociais que aprovam ou incentivam o uso de drogas;
  • Influência de grupos;
  • Falta de informações adequadas sobre as drogas e seus efeitos;
  • Violência doméstica;
  • Estímulo ao uso pela mídia por meio de publicidade (no caso das drogas lícitas).

25. Deve-se falar sobre drogas com criança novas?

Alguns pais bem intencionados procuram conversar com seus filhos sobre drogas desde cedo, por volta dos seis a nove anos de idade, porém  escolhem momentos inadequados para terem conversas sobre os perigos da maconha, cocaína e crack, o que deixa as crianças entediadas, além de esquecerem, em poucas horas, o que foi dito.
A ideia está correta de que a prevenção deve começar cedo, o problema está no momento adequado para abordar esses assuntos e na sintonia ente a conversa e a realidade imediata das crianças. Um exemplo de uma conversa mais eficaz seria falar sobre drogas lícitas, focando nos riscos do uso de substâncias químicas como remédios, cigarros, produtos de limpeza e bebidas alcoólicas por se tratarem de produtos próximos ao universo da criança.

26. Quais os principais fatores que levam um adolescente ao uso indevido de drogas?

Quando falamos em adolescentes e drogas, torna-se relevante o questionamento sobre os motivos que levam um jovem a se drogar e outro não, mesmo que ambos tenham sido orientados e acompanhados desde cedo sobre este assunto. Vários fatores estão envolvidos neste processo e não se sabe se existe um fator mais importante que o outro. O que se sabe é que o trabalho preventivo dos pais é muito mais eficiente do que buscar tratamento após o problema estiver instalado.
Segundo Tania Zagury em seu livro “O Adolescente por Ele Mesmo”, os principais fatores que influenciam no uso de drogas são:
  1. Características Pessoais – as características individuais influenciam a maneira pela qual cada um percebe e interpreta os acontecimentos a sua volta; isto acontece em qualquer etapa da vida, seja na infância, na adolescência ou na vida adulta. A forma de solucionar os problemas é diferente para cada pessoa: algumas preferem brigar e tentar encontrar uma solução, enquanto outras buscam fugir da situação, muitas vezes se refugiando no uso de substâncias que as ajudarão e se alienarem do problema, como as drogas.

  1. O meio em que vive – ações positivas dentro da família podem minimizar as características negativas ou aperfeiçoar as potencialidades de cada indivíduo; em contrapartida, ações negativas podem levar a problemas sérios, principalmente na adolescência, onde o jovem é muito influenciado pelo grupo social. Quanto mais cedo o jovem for levado a assumir  responsabilidades, a cooperar, a ser solidário, a ter objetivos de vida e a ser independente, maiores as chances de ele tornar-se uma pessoa íntegra e produtiva. Adolescentes precisam de engajamento e objetivos. A inércia, a ociosidade e a certeza que terão tudo o que querem sem esforço próprio é o caminho mais rápido para o desânimo e o adoecimento.

  1. O grupo, a escola e os locais que frequenta - o grupo ganha uma importância muito grande na adolescência. Entretanto, o jovem que experimentou relações familiares harmoniosas sofrerá menos influência do grupo. Ele pode até experimentar um cigarro de maconha ou uma droga mais pesada em uma festa (o que não é incomum), mas não passará disso, pois terá condições de dizer não sem medo de ser criticado ou excluído pelo grupo. Em relação à escola, sabe-se que quanto maior o nível educacional da pessoa, maior será seu conhecimento, sua consciência e seu senso crítico sobre as situações que lhes são favoráveis ou não.

27. Como saber se seu filho(a) usa drogas?

Os pais interessados e participativos na vida de seus filhos têm mais chances de identificar os sinais de mudanças em seus comportamentos. Segundo Tiba (1996), alguns sinais de mudança no comportamento dos filhos merecem uma maior atenção dos pais:
-  Irritabilidade;
-  Agressividade;
-  Falta de motivação para os estudos e/ou trabalho;
-  Troca do dia pela noite;
-  Insônia;
-  Falta de motivação para atividades de lazer;
-  Vermelhidão nos olhos;
-  Desaparecimento de objetos ou dinheiro dentro de casa.
A presença de vários desses sinais por um tempo relativamente prolongado (em média a partir de um mês) pode significar que algum problema está acontecendo; o fim de um relacionamento amoroso, uma doença e/ou o uso de drogas.

28. O que fazer e o que não fazer quando o filho(a) está usando drogas?


O QUE FAZER
O QUE NÃO FAZER
Procurar manter a calma.
Desesperar e assumir atitudes que comprometam mais a situação.
Conversar sobre o assunto com calma, afeto e compreensão.
Agressões físicas e verbais.
Tentar fazer com que seu filho lhe conte o que esta acontecendo.
Violar, de forma arbitrária, a privacidade do filho.
Estar preparado para ouvir os motivos que levaram seu filho a usar drogas. Você pode estar envolvido no problema.
Negar a existência do problema.
Buscar soluções em conjunto com seu filho.
Fazer proibições absurdas como segui-lo, proibi-lo de sair de casa e de ver os amigos, trancá-lo no quarto, tirá-lo da escola.
Lembrar que o uso de drogas por um período, não significa dependência.
Acreditar que por ter feito uso de drogas algumas vezes, seu filho é dependente.
Ter vontade real de ajudar e entender a situação
Não conversar sobre o assunto com seu filho.

29. Como lidar com a mentira do adolescente?

Uma mentira inicial pode levar a outras para manter a primeira. A melhor maneira de enfrentar a situação é avaliando a realidade. Ao invés de brigar e colocar de castigo é mais produtivo encontrar a raiz da mentira e descobrir os motivos que levaram a sua existência. Em casos onde mentir tornou-se um hábito, a ajuda de um profissional pode ser necessária.

30. Qual a melhor maneira de lidar com a contestação do adolescente?

No geral, o ser humano é um ser social que gosta de conviver pacificamente mais do que contestar. Por natureza, a criança quer agradar os pais. Se a contestação começa desde cedo é preciso ficar atento e procurar ajuda.
Alguns tipos de contestação:
  • Reação a uma infância com regras muito rígidas, sentindo-se mais forte que os pais, enfrentando-os;
  • Acúmulo de mágoas, ressentimentos, ideias que não foram expressas saindo de forma explosiva;
  • Fazer parte do grupo de amigos passa a ser mais importantes do que a companhia dos pais;
  • Rebeldia dos jovens quando se sentem tratados como crianças;
  • Se os comportamentos de contestação permanecem, provavelmente estão sendo reforçados. É importante pensar como isso está acontecendo;
  • Agressividade, impulsividade, irritabilidade e comportamento defensivo em decorrência dos efeitos dos hormônios.

31. Que conduta tomar com filhos adolescentes que estão sempre “fechados” e que nunca dão abertura ao diálogo?

O diálogo sempre será a fonte primordial de melhoria, logo deve ser a ferramenta de escolha para tratar os conflitos. Em situações propícias, (cada família sabe identificar as suas) o adolescente sairá do seu silêncio. Nessa hora é importante ouvi-lo com atenção, evitando julgamentos e cobranças.

32. Como separar o filho das “más companhias”?

Chega certa idade em que os amigos tornam-se mais importantes para o jovem do que os pais. Mesmo que você não goste dos amigos do seu filho, lembre-se de que ele gosta deles e os escolheu. O melhor a fazer é conhecer os amigos de perto, trazê-los para frequentar sua casa, ser simpático, sem fazer muitos questionamentos sobre suas famílias e hábitos. No entanto, deixe claras as regras da sua casa, como, por exemplo, ser proibido fumar. No dia seguinte, você pode ter uma conversar aberta com o seu filho, esclarecendo suas dúvidas sobre os amigos: se algum deles usa drogas; se já repetiram o ano; como é a relação deles com os pais, etc. Você pode, também, tentar conhecer pessoalmente as famílias dos amigos.  Depois pode falar sobre como se sente com o fato dele andar com essas pessoas.

33. Revistar o quarto do (a) filho(a) atrás de drogas: invasão da privacidade dele(a)?

Existem alguns sinais importantes a serem observados antes de tomar a decisão de revistar o quarto de seu (sua) filho (a), como: alterações de comportamento em casa, trocar a noite pelo dia, perder aula, parar de comer com a família, rejeitar antigos amigos e adquirir novos que se comportam de forma semelhante a ele(a), relaxamento em relação à própria higiene íntima e com as roupas. Esses são indícios de uso de drogas.
Ao revistar o ambiente, saiba que o jovem usuário vai tentar de todas as formas esconder a droga. No caso da maconha, por exemplo, esteja atento para colírios, papel de seda, cachimbinhos, pedaços de maconha prensada ou não, pontas de cigarros de maconha fumados, etc.
O consumo de drogas normalmente é descoberto após anos de uso. A descoberta precoce pode vir a evitar danos futuros, pois com o passar do tempo, o usuário pode acreditar que a maconha (ou outra droga) não faz mal e que ele (a) pode parar a qualquer momento, caracterizando um quadro de vício.
A privacidade deve ser conquistada, se o jovem apresentar comportamentos suspeitos, perderá esse direito. É importante que os pais provem que encontraram as drogas para evitar as mentiras e negações.

34. Como é o tratamento ao dependente de drogas?

O tratamento de toda doença crônica envolve três frentes: a redução de sintomas no usuário (tratamento individual), o acompanhamento aos familiares e ações preventivas na comunidade. Na frente individual, o dependente pode apresentar diversos quadros clínicos e ter a necessidade de ser encaminhado para diferentes serviços de atendimento. Na frente familiar, é de suma importância envolver os familiares no tratamento, pois fazem parte do núcleo vivencial mínimo do paciente e podem contribuir significativamente para minimizar as chances de fracasso. Na frente comunitária, têm-se as importantíssimas ações preventivas e o acolhimento e reinserção do dependente à sociedade.
O indivíduo usuário de drogas não procura tratamento por estar convencido de que é dependente dessas substâncias, mas em decorrência dos problemas e prejuízos que se acumulam ao longo da vida, relacionados ao consumo. As principais causas que levam à busca de tratamento são: complicações médicas (por exemplo, convulsões, depressão ou alucinações decorrentes do consumo) e complicações sociais (perda de emprego, separação conjugal, imposição familiar, sentença judicial, dívidas ou atrasos nos compromissos).

35. Quando é indicada a internação?

A internação não é considerada um tipo de tratamento, mas uma estratégia para promover a abstinência. Sua indicação se dá em casos mais severos, onde é mais seguro para o paciente ficar com sua liberdade restrita. A internação deve, obrigatoriamente, estar vinculada a um seguimento ambulatorial.
São algumas indicações para internação:
-  Paciente com ameaça de suicídio ou comportamento autodestrutivo;
-  Paciente que ativamente ameaça a integridade física dos outros;
-  Paciente com sintomas psiquiátricos graves (psicose, depressão, mania);
-  Presença de complicações clínicas importantes;
-  Necessidade de internação por dependência de outra substância (exemplo: desintoxicação do álcool);
-  Falhas recorrentes na promoção da abstinência em nível ambulatorial;
-  Pacientes que não possuem suporte social algum, ou seja, seus relacionamentos são exclusivamente com outros usuários.

36. Quais seriam algumas orientações para auxiliar o usuário a parar com o uso de drogas?

-  Parar por completo o uso de qualquer tipo de droga. Basta o retorno ao uso de qualquer droga, uma única vez, para possibilitar a reinstalação do quadro de dependência;
-  Afastar-se definitivamente dos antigos companheiros de consumo e dos locais onde costumavam frequentar para fazer o uso, a fim de evitar recaídas;
-   Durante o tratamento, não testar a capacidade de autocontrole no consumo das drogas, o excesso de autoconfiança pode levar à recaída;
-  Ajudar a manter o autocontrole, estabelecendo metas e objetivos que envolvam atividades que substituam as atitudes associadas ao uso das drogas;
-  Rever as metas e objetivos que não estão sendo eficientes para a sua reintegração na sociedade sem o uso de drogas;
-  Mudar seu estilo de vida; estabelecer novos vínculos de amizades; reestabelecer as relações familiares;
-  Buscar soluções junto à equipe de saúde para o alcance e manutenção do sucesso do tratamento;

37. Onde procurar ajuda?

Existem vários serviços que podem ser acionados para conseguir auxílio no tratamento ao dependente de drogas. Seguem alguns contatos:
-  Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas – SENAD - VIVA VOZ - 0800 510 0015 e 132;
-  Oferece orientações e informações sobre a prevenção do uso indevido de drogas.
-  O Governo Federal atende aos dependentes químicos gratuitamente através do CAPS-AD (Centros de Atendimento Psicossociais Álcool e Drogas) que conta com profissionais da saúde como Psicólogos e Psiquiatras fazendo acompanhamento individual, coletivo e familiar. Maiores informações: http://portal.saude.gov.br
-  Existem Clínicas Psiquiátricas que atendem por planos de saúde ou particular, que oferecem tratamento de desintoxicação, acompanhamento psicológico dentre outros tratamentos.
-  Grupos de apoio e autoajuda – oferecem apoio emocional e social ao dependente químico com foco em manter a abstinência.
-  AA – Alcoólicos Anônimos - http://www.alcoolicosanonimos.org.br/
-  NA – Narcóticos Anônimos - http://www.na.org.br/
-  Nar-Anon: Grupo para familiares de Dependentes Químicos - http://www.naranon.org.br/
-  Amor Exigente - http://www.amorexigente.org.br

Sugestões de filmes sobre drogas:


  • QUANDO UM HOMEM AMA UMA MULHER - 1994
  • DIÁRIO DE UM ADOLESCENTE - 1995
  • DESPEDIDA EM LAS VEGAS - 1996
  • TRAINSPOTTING - SEM LIMITES - 1996
  • O INFORMANTE - 1999
  • TRAFFIC - 2000
  • CAZUZA - O TEMPO NÃO PÁRA - 2004
  • Meu Nome não é Johnny - 2008
  • Eu Cristiane F., 13 anos, drogada e prostituída – 1981
  • Réquiem para um Sonho - 2000
  • Blow - 2001
  • Maria Cheia de Graça - 2004
  • Bicho de Sete Cabeças - 2001
  • Paraísos artificiais - 2012

Sugestões de Leitura:


BRIGGS, D. C. (2000). Auto-Estima do seu Filho. São Paulo: Martins Fontes.

Lambert, M. S. (2001). Drogas – Mitos e Realidade. Rio de Janeiro: MEDSI Editora Médica e Científica Ltda.

SENAD (2004). Livreto Informativo sobre Drogas Psicotrópicas. UNIFESP: Escola Paulista de Medicina, SENAD: Secretaria Nacional Antidrogas, CEBRID: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. Brasília-DF.

SENAD (2008). Prevenção ao uso de álcool e outras drogas no ambiente de trabalho: conhecer para ajudar. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas: Serviço Social da Indústria.

SENAD (2010). Drogas: Cartilha para pais de crianças. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Brasília, DF.

SENAD (2010). Drogas: Cartilha para pais de adolescentes. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Brasília, DF.

TIBA, I. (1996). Disciplina, Limite na Medida Certa. São Paulo: Editora Gente.

TIBA, I. (2000). 123 Respostas Sobre Drogas. São Paulo: Editora Scipione.

ZAGURY, T. (1996). O Adolescente por Ele Mesmo. Rio de Janeiro: Editora Record.

ZAGURY, T. (2001). Limites sem Trauma. Rio de Janeiro: Editora Record.
http://www.pf.gov.br/anp/institucional/prevencao-as-drogas-gpred/perguntas-e-respostas-sobre-drogas#11
Ações